Red Sparowes – At the Soundless Dawn

Constituído por Bryant Clifford Meyer (Isis), Josh Graham (colaborador dos Neurosis, tendo realizado vídeos para estes, para os Isis e para os Dillinger Escape Plan), Greg Burns (Halifax Pier), Andy Arahood (Angel Hair) e David Clifford (The VSS, Pleasure Forever), Red Sparowes é um projecto musical que respira influências dos outros projectos dos seus membros. Com Dana Berkowitz (The Cignal) e Jeff Caxide (Isis) no seu alinhamento inicial, os Red Sparowes gravaram At the Soundless Dawn, o seu primeiro álbum de originais, em Maio do ano passado, tendo sido editado já este ano pela Neurot.

At the Soundless Dawn é suficientemente pesado para podermos estampar-lhe o rótulo do rock progressivo complexo característico dos Isis; mas a sua vertente experimental de fusão afasta os Red Sparowes das suas influências principais, dando um cariz ímpar a este longa-duração de temas com títulos estranhos.

O tema que abre At the Soundless Dawn, “Alone and Unaware, the Landscape Was Transformed in Front of our Eyes”, traz-nos momentos interessantes de slide guitar que vão ganhando proporções épicas à medida que as outras guitarras ganham força. Ainda assim, atinge o término num momento de falso sossego, cheio de sons ambientes e de ruídos – entre outras coisas, vozes ao fundo – imperceptíveis.

De atitude variável, At the Soundless Dawn tem o condão de criar imagens estranhas pintadas a um negro hipnótico. À medida que nos transporta e nos agride, prepara-nos para altos e baixos – qual montanha russa – que parecem nunca acabar. O aviso parece necessário: as passagens para os momentos mais pesados são capazes de revolver alguns estômagos.

A experimentação assume algumas formas interessantes como provam os ruídos com que “Mechanical Sounds Cascaded Through the City Walls and Everyone Reveled in their Ignorance” inicia e termina – coisas diferentes mas igualmente fascinantes. At the Soundless Dawn é tão temperamental como seria de esperar e o refrão – ainda que esta classificação seja dúbia e facilmente refutável – de “A Brief Moment of Clarity Broke Through the Deafening Hum but It was Too Late” testemunha isso mesmo, trazendo como bandeira um momento de slide guitar surpreendentemente… bonito.

Mas, mais do que simplesmente bonito, experimental ou pesado, At the Soundless Dawn é um trabalho urbano e deprimente de múltiplas facetas inconstantes que se vão revelando em camadas diferentes, em momentos diferentes e que partem em direcções divergentes em cada uma dessas camadas, a cada um desses momentos.

8/10 | Filipe Marques

Anúncios

~ por hiddentrack.net em 4, Setembro, 2005.

 
%d bloggers like this: