Morrissey – Kill Uncle

Após uma estreia a solo que superou quaisquer expectativas, com Viva Hate, era normal que se exigisse de Morrissey o mesmo nível de qualidade. Pelo meio ainda lançou uma compilação de singles chamada Bona Drag. Três anos depois de Viva Hate, foi lançado este Kill Uncle e se o ouvirem em sequência do disco de estreia de Moz, verão que existe um abismo imenso a separá-los.

Enquanto que com Viva Hate Morrissey mostrou-nos o melhor de si a solo, no segundo disco mostrou-nos precisamente o pior. Até aos dias de hoje que Kill Uncle continua a ser o álbum mais fraco do ex-Smiths, sem chama, como se o cantor tivesse perdido, por breves momentos, todas as suas características que nos fazem ainda hoje venerá-lo.

Para colaborar na música de Kill Uncle Morrissey recrutou o guitarrista Mark E. Nevin, sendo que a produção ficou encarregue a Clive Langer e Alan Winstaley, e nenhum destes músicos soube dar a Morrissey a base musical cativante, luminosa mas também emotiva, necessária para que Moz nos presenciasse com o seu humor refinado, a sua visão crítica cheia de sarcasmo, o seu ser dorido com a vida.

Este é um disco monocórdio, que praticamente não tem nenhum momentos que nos faça levantar do sofá e entoar os versos escritos por Morrissey a plenos pulmões como se a vida dependesse disso. Em Kill Uncle podemos ouvir uma das várias canções pelas quais Stephen Patrick Morrissey foi acusado de racismo. Aqui o tema que originou tais acusações foi “Asian Rut”, que retratava situações de discriminação racial, mas como de todas as vezes, não foi entendida pelos jornalistas, o que originou um clima de tensão entre Morrissey e a crítica, que além das acusações de racismo, também declaravam a morte criativa no cantor, o que mais tarde se veio a revelar uma parvidade completa.

No entanto, o disco ainda tem alguns temas bem satisfatórios, que não envergonham em nada o reportório de Moz, como a faixa de abertura “Our Frank”, “Mute Witness” ou a bonita balada ao piano que fecha o disco “There’s a Place in Hell for Me and my Friends”.

Kill Uncle foi um erro de percurso, que Morrissey não prolongou no disco seguinte, Your Arsenal. Só para fãs acérrimos que queiram ouvir tudo o que Morrissey fez.

5/10 | João Moço

Anúncios

~ por hiddentrack.net em 31, Março, 2006.

 
%d bloggers like this: