Entrevista com Fat Freddy

Em 2003 estrearam-se com Fanfarras de Ópio e puseram Portugal em festa com sons inspirados em Kusturica. Este ano, enveredaram para “uma vida de filmes de ficção científica manhosa” e editaram um novo disco, sem título. Influências cinematográficas, anarquismo, assim ficou marcada a seguinte conversa que tivemos com os Fat Freddy.

Desde já gostava de vos perguntar porque é que se chamam Fat Freddy? Estará relacionado com a personagem da BD “The Fabulous Furry Freak Brothers” de Gilbert Shelton?
Sim. O nosso nome está relacionado com a personagem Fat Freddy’s Cat.

Acabaram de lançar o segundo disco, sem título, e onde todas as faixas originais também não têm título. Porque é que decidiram adoptar este método?
Em primeiro lugar, o álbum é instrumental. Depois, o disco foi totalmente concebido sem recorrermos ao uso da palavra. Ou seja, compusemos os temas sem comunicarmos um com o outro, de forma telepática, daí que não tenha feito qualquer sentido, para nós, dar títulos às músicas. Somos honestos connosco próprios e com a música que fazemos, pelo que seria falso dar títulos a temas que nasceram sendo números.

O facto de todas as vossas músicas serem instrumentais, e agora não darem títulos a estas, faz-me crer que toda a mensagem que querem transmitir já está inerente ao instrumental e que não são necessárias informações “extra”, estarei correcto?
Exactamente. A nossa mensagem, no disco, é a música. Pura e simples. O fio condutor – e que pode ser comprovado nos espectáculos ao vivo – são os primeiros filmes de ficção científica da história. No fundo, é essa a «mensagem» deste álbum, que serve quase como uma banda-sonora desse tipo de filmes.

Na press release do álbum está escrito algo como “eles provaram do veneno, mudaram de pele, embarcaram numa viagem espacial e regressaram como duo machine – um ataque hipnótico em tons ancient sci-fi rock”. A saída do Filipe Leite contribuiu de alguma forma para esta “mudança de pele” tão vincada?
Não. O Filipe Leite gravou todos os temas deste disco, por isso, também entrou nesta viagem espacial.

Existe alguma razão específica para a sua saída e para que não o tenham substituído?
Não. Os Fat Freddy sempre se auto-intitularam como uma cooperativa criativa e, como tal, sempre houve entrada e saída de elementos. As mudanças na banda são, para nós, perfeitamente normais. De resto, não sentimos necessidade de o substituir, porque ele é, para nós, insubstituível.

Este novo disco faz-me muito lembrar filmes de “ficção científica manhosa, de série Z” (tal como dizem na press release). Porquê esta influência? E já agora quais os filmes/realizadores que vos inspiraram mais?
Porquê? Simplesmente por serem filmes fascinantes, realizados com meios absolutamente surreais para os dias que correm. Filmes e realizadores? Isso é “top secret”…

Já alguma vez pensaram em compor a banda-sonora para um filme? A ideia agrada-vos?
Claro que já pensámos e é claro que a ideia nos agrada, mas a verdade é que nunca nos convidaram para um projecto desse tipo. Mas, de qualquer forma, há já sete anos que temos vindo a fazer isso, uma vez que os nossos espectáculos são uma espécie de filme-concerto.

De que filme é que gostariam de ter composto a banda-sonora? E porquê?
«2001, Odisseia no Espaço», de Stanley Kubrick. Porque seria o auge, uma vez que ainda estamos na fase dos filmes da série Z…

Actualmente discute-se bastante a actual lei das quotas de música portuguesa nas rádio. Qual é que é a vossa posição quanto a isto?
Somos completamente anarquistas quanto a esses temas. Consideramo-nos os Mários Henriques Leirias da música portuguesa. E viva o gin tónico!!!

Outro assunto que está na berra é o impacto da Internet (com a partilha de ficheiros ilegais, blogs, MySpace) na indústria musical? É um assunto que vos preocupa? Como é que encaram toda esta nova “revolução”?
Não nos preocupa… Assistimos a tudo isso sentadinhos no sofá, a beber gin tónico e whisky, a ouvir vinis, cassetes, cd’s e alguns mp3 sacados da net…

João Moço

novembro.2006

Anúncios

~ por hiddentrack.net em 9, Novembro, 2006.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: