Nine Inch Nails – The Downward Spiral

Oitavo registo oficial dos Nine Inch Nails, é considerado comummente o terceiro grande trabalho (por ordem cronológica) do projecto de Trent Reznor. The Downward Spiral é sem sombra de dúvida o álbum que afirmou o estatuto dos NIN, depois deste ter ficado já consideravelmente alinhavado em Broken (1992). Restava saber se em estúdio, Reznor continuaria a optar pelos elementos mais agressivos, e a apostar na predominância das guitarras claramente industriais, ou se por outro lado iria dar um passo atrás e escolher sonoridades mais próximas de Pretty Hate Machine (1989).

The Downward Spiral abre com um sample do filme THX 1138 (George Lucas, 1971), colado a “Mr. Self Destruct”. Uma forma de abertura bem simpática, que facilmente associamos ao registo anterior, Broken. De facto, as semelhanças com o EP editado dois anos antes são grandes, sobretudo no que toca à produção que confere uma certa sujidade no som que se difunde por todo o álbum.

Por outro lado, assistimos à inclusão de temas mais clean, por assim dizer, como o caso de “Piggy”, repleta de um groove diferente, quer do tema anterior, quer do resto a que assistimos ao longo de The Downward Spiral, é talvez o tema que oscila mais entre Pretty Hate Machine e Broken, ainda assim não se aproximando tão vertiginosamente dos elementos pop do primeiro. Tais elementos parecem ser recuperados em “Heresy”, que contraria a tendência e depressa se transforma num típico tema dos NIN, constituindo provavelmente um dos temas mais polémicos que Reznor escreveu, repleto de descrença e frustração nos dogmas e doutrinas religiosas, basta atentar no refrão (“your god is dead and no one cares”). E depois de um bom tema, um tema melhor: a incontornável “March of the pigs”, cartão de visita de The Downward Spiral, gentilmente emparelhada com “Closer” e “Hurt”. O trio maravilha daquele que é considerado o registo maior dos NIN.

The Downward Spiral é álbum conceptual que retrata a existência de uma personagem que se vai encontrando numa trajectória em espiral, vítima das próprias escolhas, numa tentativa de se libertar das imposições da sociedade e da religião, recorrendo ao sexo e às drogas como método de escape. Não só está patente no conteúdo lírico do álbum que esta tentativa de libertação tem um efeito inverso, como o próprio registo se vai tornando mais denso quanto mais próximo está o seu desfecho. A sequência “The becoming”, “I do not want this” e “Big man with a gun”, marcam uma viragem na dinâmica do álbum, como se de facto, a personagem central de The Downward Spiral tomasse consciência do poço sem fundo onde mergulha deliberadamente.

Entramos decididamente na zona mais densa do registo, que se torna também aquela que mais se agarra aos nossos ouvidos. “A warm place” faz a passagem semi-silenciosa para “Eraser”, tão simples quanto perturbadora, criando um ambiente que facilmente nos aproxima de imaginários oníricos ao estilo de David Lynch: uma melodia flutuante que se estende e quando menos esperamos, colapsa. Tão colada à estranheza como à perfeição.

“Hurt” encerra oficialmente o registo (a edição especial inclui como bónus “Burn” e a edição japonesa inclui “Dead souls”, cover dos Joy Division). Declarar “Hurt” próxima daquilo que se pode considerar uma balada, é quase criminoso. A dinâmica pode não ser o que se espera dos NIN, mas a verdade é que este é frequentemente apontado como o melhor tema dos NIN, o que não é, de forma alguma, uma mentira. A verdade é que o registo de Reznor em “Hurt” nos corta por completo a respiração, durante todos os 374 segundos que dura o tema. É como se houvesse um significado muito próprio de cada palavra, e a interpretação de Reznor põe “Hurt” para lá de uma simples música, colocando o tema bem mais próximo daquilo a que vulgarmente consideramos poesia.

É o desfecho sublime, para um álbum que, não fossem as repetições próprias do industrial, também ele seria sublime.

9/10 | Susana Jaulino

Anúncios

~ por hiddentrack.net em 28, Fevereiro, 2007.

Uma resposta to “Nine Inch Nails – The Downward Spiral”

  1. […] Sin (1990) [Halo_5]: Broken (1992) [Halo_6]: Fixed (1992) [Halo_7]: March of the pigs (1994) [Halo_8]: The downward spiral (1994) [Halo_9]: Closer to god (1994) [Halo_10]: Further down the spiral (1995) [Halo_11]: The perfect […]

Os comentários estão fechados.

 
%d bloggers like this: