Theyweregunshots ao vivo no Rock In Chiado

Apesar da excelente localização, a afluência de interessados foi bastante reduzida. O concerto acabou por ser uma espécie de cerimónia entre amigos que oficializou a adiada edição de I Need You To Warm Me, You Need Us To Burn, o primeiro lançamento do quarteto português Theyweregunshots. A acompanhá-los estiveram os The Ladder, outra das bandas da cena metal underground nacional, onde se poderão incluir ainda nomes como W.A.K.O., E.A.K., Monogono, Suchi Rukara ou Concealment. Para além de partilharem a mesma editora, a Good Enough For Escape, as duas bandas partilham também o mesmo baterista, Ita. Não foi, portanto, surpresa que a tarde se tivesse tornado num encontrar de conhecidos e amigos, partilhando cerveja, conversas e ruidosos disparos de música.

:: 30 de Junho de 2007

Alguns poderão ficar surpreendidos ao deslocarem-se até ao local onde supostamente se deveria encontrar o cabaret “Nina”, na zona do Chiado, em Lisboa. E se alguns desses o fizeram na tarde de sábado em que os Theyweregunshots decidiram apresentar o seu EP de estreia, então a surpresa poderá ter sido um autêntico choque. Sob o nome “Rock In Chiado”, o número 7/13 da Rua Paiva de Andrade é agora um pequeno lugar de concertos e eventos culturais que dá os seus primeiros passos numa direcção vestida de novas roupas (ou vestida simplesmente).

Apesar de só agora editarem o seu primeiro trabalho, os Theyweregunshots têm já cinco anos de existência. Actualmente formados por João Gazua no baixo, Marco Cabaço na guitarra, os dois membros mais antigos da banda, Ita na bateria e Jorge Ferreira como vocalista, a banda apenas adquiriu este alinhamento em 2004. Em traços gerais, a música dos Theyweregunshots assemelha-se a um post-hardcore caótico e violento, com alguns traços de screamo, e que não causará estranheza a fãs de Dillinger Escape Plan, Envy ou Converge. Após a “actuação” da Máquina Preservadora, que apesar de constar no cartaz, não passou de alguns minutos de droner e efeitos obscuros, a banda sobe ao pequeno palco do Rock In Chiado. “In Chrysalis” foi o primeiro tema da tarde, uma excelente introdução à dinâmica nervosa e à ferocidade de I Need You To Warm Me, You Need Us To Burn. A bateria de Ita marca quase toda a faixa e a voz de Jorge incendeia o ar quente, numa toada que se iria manter até ao final da actuação. Seguiu-se “Lightomotive”, um tema gravado com a formação anterior da banda, em versão ligeiramente mais compacta e directa, demonstrando como as alterações de formação, que reduziram a banda a apenas uma guitarra, não fizeram com que se perdesse intensidade sonora.

“Unlimited Men On Battlefield”, “Eye For An Elephant” e “One Armed Bandits” serviram para continuar a apresentação do EP. Riffs de vertiginosa contundência, contra-tempos e blast beats impressionantes e Gazua a contrabalançar a voz de Jorge fizeram com que os minutos passassem rapidamente. Destaque-se, no entanto, “Eye For An Elephant”, uma das faixas mais fortes da banda e cuja interpretação ao vivo permite assistir a pormenores notáveis por parte dos quatro músicos. Os pequenos desacertos ou uma certa apatia da banda não foram elementos que tivessem necessariamente contaminado o concerto. Afinal de contas estavam entre amigos, a descontracção reinava. Seguiu-se “Trigger Hostages”, um tema mais recente e que não consta no EP, e um interlúdio instrumental em jeito pós-rock que serviu de introdução ao single “Delays Are Dangerous”, tocado com o auxílio de um segundo guitarrista. Apesar de arrancar de forma algo inocente, depressa se reformula e se converte numa típica composição a la Theyweregunshots. Um excelente cartão de visita da banda e que encerrou a festa.

Quanto aos The Ladder, foram uns justos convidados e apresentaram-se no Rock In Chiado de forma irrepreensível. Já com um EP intitulado The Mindless and Complete Stain nas ruas, editado o ano passado, o quinteto tocou para uma vintena de pessoas como se estivesse perante uma plateia de centenas. A música dos The Ladder acaba por ser algo bastante completo dentro do metal, conseguindo fundir de forma natural e pouco arrogante um conjunto de géneros e estilos. O resultado é uma massa sonora densa de textura rugosa onde surgem inesperadamente breakdowns espasmódicos, blast beats tempestivos, dissonâncias de profundidade sepulcral e provocações auditivas através de elementos progressivos. Algures entre os Gorguts, os Cephalic Carnage e os The Red Chord, o concerto serviu para brindar os presentes com os melhores momentos de The Mindless and Complete Stain e apresentar duas faixas novas. “Movement In The Treeline” abriu a tarde, fazendo-se seguir por “Directions”, um novo tema que serviu para ter contacto com o processo de composição actual da banda. Entre os incentivos ao reduzido público do vocalista Ruben e o constante esvoaçar de cabelos de Tiago numa das guitarras e Samuel no baixo, a banda avança até “Cycles” e “So Full Of Nothing”, outra faixa nova. Seguiu-se a excelente “Recall”, que teve o dom de conseguir provocar um violento headbang nos presentes, “Wakening” e, por fim, “Murder”. Destaque-se ainda o interessante jogo de guitarras entre Tiago e Jeremy em quase todas as músicas apresentadas, a expressividade de Ruben, cujas veias quase explodiam na entrega a cada momento, a dinâmica violência da bateria de Ita e o grave baixo de Samuel que se contorcia com todas as suas seis cordas.

As duas bandas teriam sido beneficiadas se a sala de concertos do bar Rock In Chiado estivesse melhor composta, sem mesas e cadeiras, e com uns quantos tipos suados a retirarem fisicamente a passividade do público. Mas a tarde acabou por cumprir o seu propósito. Para além de soltar as rédeas aos Theyweregunshots e ao seu primeiro lançamento, serviu ainda para demonstrar uma parte do underground nacional na categoria de pesos-ruidosos.

Texto: Gonçalo Sítima
Fotos: Sílvia Marques

Anúncios

~ por hiddentrack.net em 30, Junho, 2007.

 
%d bloggers like this: