Sleepytime Gorilla Museum – In Glorious Times

Foi conduzida pelo ímpeto de ouvir algo diferente do habitual que dei por mim a descobrir os Sleepytime Gorilla Museum. Avant-rock de proporções épicas com coros apocalípticos e melodias distorcidas a fazer lembrar aberrações circenses. Bem vindos ao universo dos Sleepytime Gorilla Museum, onde toda uma panóplia de instrumentos estranhos se conjugam ao serviço de música, no mínimo, intrigante. De uma banda cujo primeiro concerto foi dado para uma lesma, não se espera menos.

“The Companions” é uma boa abertura mas, e à semelhança de outras faixas do álbum, algo extensa e quiçá cansativa. Já “Formicary” revela uma interacção interessante entre os dois vocalistas, Nils Frykdahl e Carla Kihstedt. Realce para o trabalho vocal desta última na faixa “Angel of Repose”, definitivamente o ponto fulcral do álbum. É habilmente melodiosa por um lado e por outro, consegue elevar as suas cordas vocais a um extremo muito pouco habitual em vozes femininas.

Infelizmente o resto do álbum não mantém este nível de interesse. O início muito opera rock de “Helpless Corpses Enactment” remete-nos de forma escusada para aquele metal dos clichés dos cavaleiros e princesas, e prossegue a um ritmo death metal algo banal. “Ossuary” é caótica, não parece existir um fio condutor ou melodia base – sou pouco entendida no assunto mas parece-me ser habitual de acontecer no rock progressivo. No entanto há que dar crédito ao emprego pouco habitual de instrumentos, desde guitarras de percussão a rodas de bicicleta, e acredito que seja uma proposta interessante em termos de espectáculo ao vivo.

Recomenda-se a fãs de King Crimson – a influência é notória. No entanto, os menos interessados em avant-prog-rock dificilmente serão convertidos por In Glorious Times.

7/10 | Joana Coimbra

Anúncios

~ por hiddentrack.net em 19, Novembro, 2007.

 
%d bloggers like this: